Em linhas gerais, custo de oportunidade é o que deixo de ganhar em outras opções por ter feito uma determinada escolha. Se escolho investir meu dinheiro em ações, por exemplo, meu custo de oportunidade é o rendimento que teria ao investir estes recursos em renda fixa.
Quando aprendi este conceito em minhas aulas de economia, lembro-me que o exemplo foi o seguinte: por mais que eu pudesse cuidar do meu jardim da melhor forma possível, eu poderia ganhar mais por hora de trabalho como economista.

Assim, se eu optasse por cuidar do meu jardim, meu salário como economista era meu custo de oportunidade.
Uma outra forma de entender o custo de oportunidade é considerar uma confeitaria que produza 20 bolos por dia em sua capacidade total e que pretenda vender também tortas salgadas. Porém, para isso, com os mesmos recursos, terá de deixar de produzir alguns bolos para fabricar as tortas salgadas. O custo de oportunidade para a produção das tortas será o lucro perdido na venda dos bolos.
No caso dos investimentos, pode-se considerar que o custo de oportunidade padrão é o CDI, pois seria o quanto eu poderia receber de rendimento se deixasse meu dinheiro investido em um produto com baixo risco e com boa liquidez. Por outro lado, se quero investir meus recursos, mas ainda tenho algumas dívidas para pagar, o meu custo de oportunidade são os juros deste empréstimo.
Portanto, quando for decidir o que fazer com seu dinheiro, considere não apenas os custos e ganhos do novo investimento, mas sim tudo o que deixará de ganhar ou perder nas outras opções possíveis.


Leticia Camargo é economista, planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner). Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.